sábado, 3 de abril de 2010

A relatividade do tempo - 30/07/2009

O que torna o tempo longo? O tempo curto? Para ambas as respostas é preciso dizer que... depende... depende do que se faz nesse tempo e do que se deixa de fazer...

Estava pensando nisso durante essa semana.. hoje, 30/07/09 faz 10 anos que meu pai morreu. É impressionante como esses 10 anos passaram rápido. A presença dele é ainda tão forte, que parece que faz bem menos tempo. Tentei, então, pensar nas coisas que ele não viu nesses 10 anos... tanta coisa aconteceu... pessoas também se foram... não conheceu um dos genros, não me levou ao altar, não vivenciou o nascimento de nenhum dos 5 netos, não viu os filhos concluirem a faculdade, nem tampouco a filha mais velha ingressar no ensino superior, não assistiu a nenhuma das formaturas da faculdade, não riu, não chorou, não jogou cartas, não viajou, não fez churrasco com a família, não pescou, não caminhou na praia, não tocou violão, não passeou com o cachorro, nem viu um único jogo de futebol pela tevê, aliás não viu seu time do coração ser campeão da Libertadores e do Mundial Interclubes, não conversou com os amigos, não tomou chimarrão, não contou histórias, não ouviu histórias, não leu, não deitou na rede no fim do dia, não planejou inúmeras reformas na casa, não cantou, não tomou banho de mar, não amou, mas foi amado... 10 anos não apagam o amor que sinto pelo meu pai...

O que me resta são as lembranças de tudo que ele fez quando esteve comigo... do pai maravilhoso que ele foi e tudo que ele representa pra mim até hoje. Gostaria que ele estivesse vivo e que pudesse ver a família incrível que ele formou.. com irmãos que se amam e que são amigos acima de tudo. Tenho certeza de que ele teria muito orgulho disso!!!

Que, esteja onde estiver, ele esteja sorrindo...

Ieia

Nenhum comentário:

Postar um comentário